quinta-feira, 7 de dezembro de 2006

Palavras Repetidas

Achei no meio das minhas músicas uma digna de dois mestres. Um já se foi, o outro está aí, com a corda toda. São dois gênios da música. A molodia é linda, a letra é mais ainda e é o retrado do que vivemos hoje.

Cantada por Gabriel Pensador, "Palavras Repetidas” trazendo a melodia da música “Pais e Filhos” do Legião Urbana, com direito a vocais de Renato Russo no refrão.

A terra ta soterrada de violência, de guerra, de sofrimento, de desespero.
A gente ta vendo tudo, ta vendo a gente, ta vendo, no nosso espelho, na nossa frente.
Ta vendo na nossa frente a aberração, ta vendo, ta sendo visto, querendo ou não.
Ta vendo no fim do túnel, escuridão, ta vendo no fim do túnel, escuridão.
Ta vendo a nossa morte anunciada, ta vendo a nossa vida valendo nada.
To vendo chovendo sangue no meu jardim.
Ta indo, o sol ta indo, que nem granada.
Ta vindo um carro bomba na contra mão, ta vindo um carro bomba na contra mão, ta vindo um carro bomba na contra mão, ta indo um suicída na direção.

É preciso amar as pessoas como se não houve amanhã, porque se você parar pra pensar, a verdade não ha.

A bomba ta explodindo na nossa mão.
O medo ta estampado na nossa cara.
O erro ta confirmado, ta tudo errado.
O jogo dos sete erros que nunca pára.
7, 8, 9, 10, 100, erros meus, erros seus e de Deus também.
Estupidez, um erro simplório, a bola da vez, enterro, velório, perda total por todos os lados. No banco do ônibus, ao carro importado.
Teu filho morreu, meu filho também. Morreu assaltando, morreu assaltado.
Tristeza, saudade por todos os lados.
Tortura covarde, humilha e destrói.
Eu vejo um Bin Laden em cada favela, herói da miséria, virou exemplar, tortura covarde por todos os lados.
Tristeza, saudade, humilha e destrói. As balas invadem a minha janela, eu tava domindo, tentando sonhar.

É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, porque se você parar pra pensar, a verdade não ha.

Sou um grão de areia no olho do furacão, em meio a milhões de grãos, cada um na sua busca, cada um vendo o lado do coração.
Cada um é uma forma, por meio de ponto de interrogação.
Nem sempre se pode ter fé, quando as chances aparecem debaixo do seu pé, acreditando na chance de ser feliz, eterna cicatriz, eterno aprendiz das escolhas que fiz.
Sem amor eu nada seria, ainda que eu falasse a língua de todas as etnias, de todas as falanges e facções, ainda que eu gritasse o grito de todas as legiões.
Palavras repetidas, mas quais as palavras que eu mais quero repetir na vida.
Felicidade, paz, é. Felicidade, paz, sorte. Nem sempre se pode ter fé.
Mas nem sempre a fraqueza que se sente, quer dizer que a gente não e forte.

Um comentário:

Sheila disse...

Olá, estava lendo o seu blog, vi quanta indiganação!!!

Realmente a população brasileira faz jus ao GOVERNO que tem!!!!


Continue a postar...pois continuarei a ler!

Td de bom, e que um dia alguém nos ouça e esse país mude de verdade!!!!

Abraços

Sheila Louro