sexta-feira, 25 de novembro de 2005

Arte? Pode ser...

Pra quem não sabe, fui ator e escrevi roteiros pra cinema e TV por um "tantão" de anos. Desculpe-me, meus pouquíssimos amigos que fiz nesse meio artistico, mas perdi uma década da minha vida num meio podre, cheio de pessoas prontas pra te atacar se você "passar perto" do caminho delas, interesseiras, pouco pra te dar e muito pra te sugar,... conheci pessoas que enquanto não tinha feito novela, passavam por mim e nem olhavam pra minha cara e quando coloquei a cara na "plin plin", passaram a me conhecer desde a encarnação passada! Conheci pessoas que se fizeram passar por amigos até conseguirem "algo" na TV ou ser apresentado para "alguém" que tivesse "abertura" na telinha. Onde estão eles hoje? Só Deus sabe! Também não faço a menor questão de saber. Me senti traído varias vezes. Me senti traídos por pessoas que frequentavam a minha casa. Me senti traído por pessoas que me usaram de degrau. Fui traído. Essa é a vida. Há pessoas e pessoas.

De glamour, essa profissão não tem nada. Apenas existe nos olhos de quem não conhece. Mas que assim seja pois a decepção seria tão grande, para alguém com os brilhos nos olhos, que não aguentaria tamanha dor...

Depois de 3 décadas de idade fiz a melhor coisa da minha vida. Saí, pra sempre, desse meio asqueroso!
É um alívio misturado com libertade. Não preciso mais rir quando não quero rir, não preciso ir à lugares que não quero ir, não preciso mais ficar aturando pessoas que não suporto, não preciso mais ouvir "estrelismo" e não poder dizer nada. Simplesmente não preciso de mais PORRA nenhuma!

Mudar de vida, radicalmente, aos 32 anos não é fácil, mas é um desafio e tanto e está sendo um prazer interminável!

Até

2 comentários:

Costurando o invisível disse...

Para mim, viver é que é ARTE. O pensamento complica prq traz a razão, mas não podemos esquecer que a emoção faz significante ter significado!!! E surreal é não entender as simplicidades, os detalhes, os pequenos gestos. A reciprocidade, a causa e o efeito, a ação e a reação!!!
Senão a vida fica sem troca, unilateral, vazia, sem apego e de caráter egoísta e egocentrista demais (pelo menos pro meu gosto)!
Faz a quantidade ser mais importante que a qualidade!
O sucesso fica com maior valia que o trabalho, que o estudo e que a paixão pelo que se faz.
E isso é absolutamente abominável!! Um mundo de ser doente ao invés de ser do ente!!!
A traição faz perceber que muita gente (e “muita” nesse caso é a maioria) não usa o que tem e sim usa outras pessoas, enxergam "glamour" onde vc sabe que é trabalho (e muito) e torna o convívio medíocre (claro, são pessoas pífias).
Eu vivo isso e sei bem como é essa de “mundo asqueroso”, de punhaladas de onde vc menos espera, puxadas de tapete e da falta de ética com as mínimas questões!! Sei que muitas pessoas me usam, copiam minhas criações na maior cara dura, finge sentir e ,no fundo, o real é um vão!! Tudo gira em torno de interesses sórdidos! Mas sou muito sincera e atenta às miudezas, porém ainda sofro e me pego indignada, muitas vezes.
“...o mundo está ao contrário e ninguém reparou...”
Sorte a sua que em 3 décadas pôde reparar e, assim, viver um prazer interminável!
E o bom é saber que existem pessoas de qualidade, de sentimento, de honra, de prática, de fé, de camaradagem altruísta, de VIDA enquanto arte: bem vivida e sentida!!!
Valeu por mais esse desabafo!!!
Gostei de ler mais um dos seus. Tenho achado o que vc fala muito instigante e sempre digno de comentário.
Eu não escrevo não, quer dizer, não profissionalmente. Mas sempre escrevi meus pensamentos e indagações. Faz bem pra mente! Uma forma de meditação raciocinada (teorias metafísicas saídas da minha mente. hehe), um exercício cerebral, mente que pulsa, que desorganizando há de se organizar!!!

Mais.

Poliana Pitanga

Renatinha Leão disse...

Gui, colega d velha data. Aqui quem fala é mais uma amiga q, como vc, deu adeus a essa vidinha nefasta, cheia d nada. Troquei ser "atriz" por ser "redatora" e acho q foi uma das decisões mais acertadas da minha vida. Não foi pelos puxões d tapete, pelas falsidades, pelos interesseiros d plantão. Foi pq eu me vi cercada d gente q não tinha nada a ver comigo, a começar pelo escrúpulo e moral. Por mais q eu me menosprezava (atitude inevitável nesse meio, se vc não é filha, irmã, não namora, nem tampouco "deu" pra alguém famoso no meio) continuava sentindo q era "boa demais" pra ficar ali. Q eu tinha mto mais pra contribuir, pra me expressar. Então eu radicalizei. Troquei o sonho d ser atriz pelo sonho d ser quem eu queria ser desde q era pequenininha - tudo q eu pudesse ser. Vim pra SP pq eu tava "d mal" com a profissão. E nunca mais olhei pra trás. Foi como vc disse: é uma sensação maravilhosa d liberdade. Parabéns pra gente, q sonhou junto um dia em sermos estrelas, lembra? A única diferença é q agora, essas estrelas terão mais espaço pra brilhar d verdade. Um beijo grande e continue escrevendo!