quarta-feira, 24 de junho de 2009

Policia de 1º mundo

Acabamos de voltar da Europa. Mais precisamente de Portugal e Espanha. Volto sempre deprimido desses lugares por sua tamanha civilidade entre as pessoas, respeito as leis e a vida humana. Ando nas ruas com uma filmadora numa mão e câmera fotográfica na outra e em NENHUM momento sinto-me ameaçado pela insegurança. É, simplesmente, INACREDITÁVEL quando pensamos em Brasil! É sempre assim. Não tem jeito. Volto ao Brasil deprimido, planejando nossa próxima viagem.

Mas o objetivo dessa texto não é falar da depressão pós viagem e sim, de um fato que nos aconteceu nas ruas de Lisboa. Acabávamos de chegar em Lisboa, vindo de Fátima, quando eu, dirigindo, entrei numa faixa exclusiva para ônibus. Não demorou muito para um policial, a minha frente, apitar e sinalizar para eu parar. A partir dai, deu-se um diálogo surreal!

- O senhor está numa faixa para autocarros. (disse o policial)
- Desculpa. Não havia percebido. (disse eu, apreensivo)
- Eu é que peço desculpas por não estar prestando atenção quando o senhor passou para esse pista. Queira, por favor, dar a ré e virar na próxima rua.
- Muito obrigado.

Perceberam o diálogo surreal? Não? Percebam; eu fiz a merda e o policial me pediu desculpas. Ou seja, ele se desculpou por não ter prestado atenção quando fui para a faixa de ônibus.

Suas "desculpas" me deixaram mal por ter feito, instantaneamente, relação com a nossa policia. Eu, morador do Rio de Janeiro, não estou acostumado com tanta civilidade, educação, consciência de seu dever, por parte dos policias cariocas. Fiquei pasmo com tamanha civilidade, autocrítica, reconhecimento de um erro (que ao meu ver, não houve erro algum por parte do policial. O erro foi meu de ter trafegado numa pista exclusiva a ônibus e ele me parou), noção de seu dever perante a sociedade, consciência de sua importância em quanto administrador da ordem pública e etc. Sempre bem disposto a prestar um serviço a sociedade, a policia de Lisboa (polícia portuguesa em geral) não mede esforços para tal feito.

Enquanto nossos policiais se acham Deus, corrompem, são corrompidos, roubam, extorquem, são mal educados...

4 comentários:

Paulo Ricardo Paúl disse...

Faltou acrescentar:
São mal remunerados, recebem salários famélicos, não tem cidadania, são considerados descartáveis, etc...
Paulo Ricardo Paúl
Coronel de Polícia
Coronel Barbono
www.celprpaul.blogspot.com

Guilherme Faro disse...

Olá Coronel.
Esqueci de dizer que a policia portuguesa também é muito mal remunerada. Ha um briga constante entre eles o governo.
O problema aqui no Brasil vem da essência. Desculpa-me por o senhor ser policial, mas não estou falando nenhum absurdo, muito pelo contrário, fui até brando nos meus adjetivos em relação a policia.
Quando que um policial brasileiro pediria desculpas por um erro dele? NUNCA! Aqui o erro é sempre do outro, seja lá quem for, como for. No Brasil ninguém erra... só outro.

abraços

ALFF disse...

É cara, mas nem tudo são Rosas!
Há de tudo lógico...
Mas eu acredito que estes novos polícias se encontram com mais sensibilidade para educar que punir. Lamentavel é que o nosso Governo os obrigue a trabalhar por objectivos onde coimas fazem parte da sua prestação como policial!
Se assim não fosse a imagem que nos têm vindo a criar deles não iria pior. Mas penso que lamentavelmente o cerne da questão está na justiça e nestes governantes bananas que só pensam no lucro fácil e não investem coerentemente no futuro.

Acho bom que estejas logo a planear a próxima viagem e que essa viagem seja até Lagos :D

Guilherme Faro disse...

Adoro quando você faz algum comentário. ahahha Muito legal.
Aninha, políticos são iguais no mundo todo. Mas a sociedade viver em harmonia ha de se ter 3 coisas fundamentais, ou seja, o pilar de uma sociedade: EDUCAÇÃO, coibir, veementemente, a CORRUPÇÃO e a FISCALIZAÇÃO. O Brasil ainda está anos luz de conseguir isso.